sábado, 3 de dezembro de 2016

QUEM PUXARÁ A DESCARGA AO SAIR?

Depois de tudo que assisti e li nas redes sociais depois que os deputados fatiaram todo o projeto popular que desejava cimentar no ralo da corrupção no Brasil, transformando investigados e investigadores, gostaria de saber quem puxará a descarga para descer as fezes acumuladas, ao sair?

“Da cabeça de um juiz, bunda de um neném novo, sabe-se que vem alguma coisa, mas não se sabe o que será” “o juiz está com crise de juisite aguda”; “alguns juízes pensam que são deuses; outros, tem certeza que já  são” Ouvia muito essas frases pronunciadas por advogados quando caminhava  pelos corredores do Tribunal de Justiça do Amazonas, em busca de notícias. Da Sede da OAB, onde entrevistava sobre a sede da OAB estava sendo construída em uma área pantanosa na antiga Av. Paraíba e hoje Av. Umberto Calderaro Filho, presidente José Paiva Filho, à 7ª Vara Criminal para ouvir o promotor de Justiça Danilo Du Silvan ou o juiz Luiz Antônio de Vasconcelos Dias ou subindo as escadas de madeira para falar com os desembargadores que formavam as poucas câmaras criminais e cíveis que existiam. Todos eles ficavam no segundo andar do histórico prédio, com vista para o Teatro Amazonas.

Gostava de conversar com eles. Eles, além dos juízes, também eram  fontes de informações para o Jornal A NOTÍCIA. Conversava com os desembargadores Paulino Gomes, Luiz Verçosa, Paulo Jacob, que vi afastar um juiz quando era corregedor do TJ. Ele também era escritor premiado pelo “Walmap”. Durante o trabalho para o jornal, convivi com os desembargadores Azarias Menescal de Vasconcelos, Lúcio Fontes de Rezende, cobri as posses dos desembargadores G, Catunda de Souza e Daniel Ferreira da Silva.  Vi o pai da hoje desembargadora Carla Reis, juiz Dr, Fausto Reis, escrevendo pacientemente sentenças à mão, com uma letra impecável. Conheci, convivi e conversava muito com os juízes Ludimilson de Sá Nougeira, Daniel Ferreira da Silva, que dizia possuir a maior biblioteca jurídica do Amazonas,  Gaspar Catunda de Souza. O  promotor do Júri, Lupercino de Sá Nogueira Filho, irmão do juiz Ludimilson, hoje é  desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de Roraima. O promotor de Justiça Yano René Pinheiro Monteiro gostava de falar do tempo em que fora goleiro de futebol em times do Amazonas, além de outros que visitava para coletar informações. Quando descia as escadas do Fórum, observava advogados angustiados, esquentando seus paletós nos balcões dos gabinetes de juízes, esperando sua vez para serem atendidos, demonstrando angustia e temor, porque esperavam das sentenças, que já demoravam muito. Gostava de ler as sentenças do juiz Luiz Augusto Santa Cruz Machado, com mais de 30 páginas em média. Ele deu o nome à Rua Santa Cruz Machado. As sentenças do magistrado eram melhores que uma aula de um semestre inteiro no Curso de Direito, diziam..

E por que estou falando sobre essas memórias nessa crônica? Porque não considero justo transformar investigadores em investigados, mas deve existir uma lei que puna juízes e promotores em casos de crimes comuns, com a perda do mandato e sem recebimento de salários, como ocorreu com o promotor ìgor Ferreira, que matou a esposa grávida, fugiu e foi preso tempos depois. Ele perdeu o cargo, mas continua recebendo parte de seu salário.  Em meio à indignação popular contra os deputados federais que  transformaram as 11 medidas contra a Corrupção, em nada, divulgaram em redes sociais que o prédio da Câmara e do Senado foram transformados  em grandes dois grandes vasos sanitários.  Entre as torres do Senado e da Câmara aparecia um rolo de papel higiênico. Diante do que lia, meditei conclui e escrevi: “triste e derrotado será o país em que um “ladrão” mandará prender um juiz ou transformar investigado em investigador”.  Mas vamos ao que interessa: o fatiamento das dez medidas anticorrupção e a retaliação contra os juízes, personificados na figura do juiz federal Sérgio Moro! Da cabeça dele, saem coisas muito boas para o Brasil. Igualmente ao juiz italiano, Aldo Moro, que sofreu agressões e ameaças da máfia, com diversos assassinatos de membros da força tarefa que a investigava, o brasileiro Sérgio Moro está puxando a descarga da podridão politica e corrupta que se instalou na Câmara Federal.

Restará ao último que sair preso da Casa, puxar a descarga do grande vaso sanitário para que nada reste de podridão e o Brasil volte a cheirar progresso e desenvolvimento novamente ou como de forma muito inteligente, definiu o leitor Fábio Silva: “nossos políticos são tão corruptos que corromperam todo o projeto anticorrupção” comentando postagem no Facebook,  feita pelo leitor, advogado, juiz do trabalho aposentado e vereador e ex-presidente  Raimundo Silva.



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A INDIGNAÇÃO POPULAR VOLTOU!



Uma indignação popular voltou e tomou conta das redes sociais.

A Câmara Federal estuprou coletivamente, decompôs  em  MMC e MDC, de forma que se faz na matemática, as 10 propostas do Ministério Público, subscritas por  quase 2 milhões de assinaturas de eleitores. Como se fosse uma vingança contra quem os investiga, o Ministério Público e o Judiciário e contrários a essa postura corporativista, movimentos sociais estão convocando eleitores para protestos legítimos no Brasil, cobrando que as 10 medidas anticorrupção voltem à condição original de como foram apresentadas pelo Ministério Público. Esse foi o mais grave estupro coletivo e transformação de investigadores em investigados que assisto nos últimos 54 anos de da vida. Esperava morrer sem ter que testemunhar tamanha inversão de valores!

No domingo, o presidente da República  do Brasil, Michel Temer em pronunciamento à nação, ao lado dos constrangidos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia e do Senado Federal, Renam Calheiros,  através do programa Fantástico, da Rede Globo de Televisão prometendo que não haveria nenhum tipo de manobra para anistiar o Caixa 2 das campanhas eleitores, os deputados se voltavam contra quem os está investigando por práticas diversas de corrupção e de Caixa 2: o Ministério Público e a Magistratura.

Contudo, apesar de o momento grave na política brasileira e muito delicado,  não é hora de qualquer autoridade se “abravatar”, pedindo que todos os procuradores renunciem coletiva. Raivosamente, prometendo parar tudo, pedir demissão coletiva, não será solução para nada. É  hora dos movimentos sociais organizados se unirem contra a classe política, de forma apartidária, exigindo que faça valer a vontade dos milhões de eleitores que também foram estuprados pelos políticos,  em sua inocências.  Hoje,  os empresários de construtoras envolvidos em caixa 2 para pagar dívidas de campanha, foram condenados pelo juiz Sérgio Moro, o foram pela prática de Caixa 2 das campanhas eleitorais. A anistia,  se tivesse sido aprovado como muitos deputados pretendiam, todos os já condenados também seriam beneficiados pela manobra juridicamente burra e descabida.

Felizmente,  a voz das ruas foi mais forte do que à vontade e os interesses dos políticos. A anistia ao caixa 2 como queriam, foi derrotada. Porém, os “representantes do povo” derrotados, se voltaram contra quem os investiga: o Ministério Público e o Judiciário, enquadrando-os na mesma lei, como se não possuíssem leis próprias para puni-los com a perda do cargo e aposentadorias compulsórias, recebendo parte de seus salários. Contudo, se são justas ou não essas punições é outro assunto que precisa ser discutido pelos parlamentares e também nas ruas. A voz das ruas é mais importante nesse momento que a ação de interesses dos políticos envolvidos em corrupção e legislando em causa própria.


Os eleitores não votaram nos representados para eles legislarem em causa  própria; e, sim, na defesa dos interesses coletivos dos eleitores!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O AMOR...




..é meu alimento,
Também sofro e me arrebento,
Mas, apesar disso, me sustento.
Por amor, fico calado!
(mesmo sufocado, zangado)


Mas aguento!


terça-feira, 29 de novembro de 2016

CHAPECÓ ESTÁ DE LUTO!


Chapecó está de luto e o mundo futebolístico também! Os jogadores do time do Chapecoense faleceram

Quase todos os jogadores do time da Chapecoense, o que mais se destacou no Campeonato Brasileiro, faleceram em um trágico acidente aéreo, viajando para a Colômbia, onde iria disputar a semifinal do Campeonato Sul-americano, contra o Nacional de Medelín. Diante da tragédia, em um gesto nobre, o time adversário propôs à Comebol, organizadora dos jogos, declare o time de Santa Catarina, campeão. Diante da trágica tragédia, nunca deixe nada para amanhã, porque poderá não existir o amanhã para viver como os jogadores do time do Chapecoense não terão. Tinham derrotado t os times do Brasil e faltavam apenas dois jogos da final, contra o Nacional de Medelín, o primeiro na Colômbia e o segundo em seu Estádio, em Santa Catarina. Mas nada disso acontecerá mais!

Chapecó é a capital brasileira da agroindústria, do turismo e dos negócios. Ela foi projetada em forma de um xadrez, segundo a Wikipédia que acrescenta: “com uma população estimada em 209.060 habitantes, é a quinta maior cidade do Estado, estando atrás somente das cidades de Joinville, Florianópolis, Blumenau e São José”. Mas isso é historia e geografia e está na Internat.

Quero falar mesmo da tragédia que abalou a cidade – o trágico acidente aéreo que vitimou quase um time inteiro, o maior orgulho da cidade -  assunto mais comentado em todas as redes sociais – levou-me a pensar no valor da vida humana. Como todos os serão, também sou um passageiro nessa vida passageira! Mas poderia ser diferente! Deus devia estar precisando de bons jogadores, no auge de suas formas e os convocou para jogar em sua seleção, como o Tite faz com a convocação da Seleção Brasileira.

Os planos de Deus são silenciosos ou barulhentos. No caso do acidente aéreo, os dois fatos se registraram: Deus mandou avisos. A ANAC proibiu que o avião colombiano pousasse no Brasil. Os jogadores, porém, embarcaram em território colombiano e morreram quase todos. A maior tragédia futebolística dos últimos tempo,  afetou aos os times brasileiros e a mim também. Menos, porém, do que a morte de Ayrton Senna, em acidente automobilístico em meio a uma corrida,  em Ímola, na Itália, fazendo o que mais gostava, dentro de seu carro. Deixei de assistir Fórmula 1, com a  morte do piloto. Ele parecia ser um membro da família: quase todos os finais de semana entrava em minha casa e gostava de vê-lo correndo, em pista seca ou molhada. Era um fenômeno o piloto Ayrton Senna

Os jogadores do time da Chapecoense embarcaram felizes, alegres. Eles poderiam sagrar-se campeões sul-americanos pela primeira vez. Deus,  contudo,  precisou de quase todos eles, junto com o técnico do time e os convocou para jogarem juntos no Céu, de uma só vez! Deus abençoe as suas famílias que ficaram na vida terrena!

Os jogadores estão todos jogando no time convocado por Deus!



segunda-feira, 28 de novembro de 2016

FIDEL, A HISTÓRIA E A REALIDADE


Enquanto o mundo discute pelas redes sociais, principalmente, qual será o futuro de Cuba, com a morte aos 90 anos, do “el comandante” Fidel Castro, muitas vezes com ódio extremo, outras vezes com simpatia, aqui no Brasil mais escândalos e denúncias contra o Governo Michel Temer são reveladas, advogados da Comissão de Direitos Humanos de SP são presos, conivências de agentes penitenciários que deixam entrar aparelhos celulares, drogas e outras coisas mais que deveriam ser barradas nas revistas.  Os carcereiros estão cumprindo dupla jornada trabalhando: uma para o Estado; outra, para os criminosos e fazem vista grosa! Com a  pecaminosa e  socialmente prejudicial a todos,  bandidos de SP começaram a usar seus “escritórios do crime”  nas cadeias, estão telefonando para presos do Rio de Janeiro, com promessas variadas tentando arregimenta-los para aderir à facção criminosa deles, como se fosse uma empresa legalizada e normal. Cadê os bloqueadores de celulares, que por um fim nessa balbúrdia toda?

Não reduzirei e nem defenderei a importância histórica de Fidel Castro. Querendo ou não os críticos, ele foi um dos mais duradouros e emblemáticos líderes de revolução em cubana e serviu para várias ideologias de esquerda na América Latina. Derrubou do poder o “menino de ouro americano”, Fulgêncio Batista, implantou o comunismo na ilha e  sobreviveu com o empobrecimento dos que viviam na pobreza  em Cuba. O ditador Fidel teve como mérito erradicar o analfabetismo, desenvolver a saúde e investir no esporte. A miséria do povo cubano, porém,  em termos gerais, ficou muito bem registrada no livro "O REI DE HAVANA", romance  que faz parte da “Trilogia suja de Havana”, escrito por  Pedro Juan Gutiérez, disponível para ser baixado em PDF. (https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=o%20rei%20de%20havana%20pedro%20juan%20gutierrez)  Enquanto se discute o futuro de Cuba pós-Fidel, sob o comando do  irmão Raul Castro, os Estados Unidos de Donald do presidente Trump anuncia que vai rever o acordo de aproximação com Cuba, assinado por  Barak Obama, com a mediação do papa argentino Francisco.

Voltemos ao Brasil, onde o Governo Michel Temer enfrenta dificuldades políticas com denúncias contra seu governo vindo do próprio ministro da cultura, Marcelo Calero, que disse “o servidor público tem que ser leal; mas conivente, não!” O primeiro dado pelo ex-ministro  Celero abateu  o Ministro Gedel Vieira Lima, responsável pela interlocução política do Governo Temer. Para ocupar a pasta da articulação política, o presidente ainda não indicou ninguém. Enquanto isso, advogados que defendiam direitos humanos são presos em SP, envolvidos em denúncias de conluio com os bandidos. O advogado  presidente do Conselho de Direitos Humanos já admitiu ter recebido dinheiro dos criminosos para fazer denúncias falsas contra autoridades e fiscalizar só prisões indicadas por eles. Na outra ponta, criminosos de SP começaram a aliciar bandidos presos do RJ, pelo telefone celular, prometendo benefícios, diversos, ajuda jurídica em vários Estados do Brasil, inclusive para seus familiares, cooptando-os a entrar em sua facção criminosa para que possam dominar a distribuição e venda de drogas na capital paulista.

Em quais presídios foram instalados os bloqueadores de celulares adquiridos?  Esse problema é tão antigo que remonta da época em que o falecido vice-presidente de Lula, empresário José de Alencar, já falecido, quase caía no golpe do falso sequestro de uma de suas filhas! Ele prometeu que trabalharia em prol da imediata aquisição dos bloqueadores para serem instalados nos presídios. José de Alencar faleceu em 1º de janeiro de 2011 e hoje quase ninguém fala mais nesse assunto.


Uma pena que hoje os bandidos mandem mais do que o próprio Estado nas prisões!

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

A JANELA & FELICIDADE...

A janela aberta para a rua
Esperava o tempo passar
Aguardando a felicidade:
A janela envelheceu,
A felicidade passou,
A janela não viu que ela
Caminhava distraída:
Fechou-se para a vida e para o mundo
E nunca se abriu!





quinta-feira, 24 de novembro de 2016

REUS DA LAVA JATO SERÃO BENEFICIADOS PELA ANISTIA!


A anistia aprovada na Câmara também beneficiará todos os réus já condenados pelo juiz Sérgio Moro pelo princípio do “tempus regit actum.”, ou atos jurídicos se regem pela lei da época em que ocorreram, com somente duas exceções possíveis. Com a anistia, o Crime de Caixa 2, deixa de existir!

Em outra esfera política, a investigação contra o Ministro Gedel Vieira Lima que apuraria a denúncia seríssima de tráfico de influência feita pelo Ministro da Cultura, Marcelo Calere, foi derrotado na Câmara Federal, às vésperas de votações importantes para o Governo. Fortalecido, o articulador político Gedel poderia ter poupado esse novo vexame de seu Governo, pedindo afastamento do cargo até que tudo fosse esclarecido, mas não o faz.  O pergunta agora: será que o polêmico projeto do Ministério Público com subscrição dos eleitores, criminalizando a corrupção,   aprovado pelos Deputados, se encerrou com a atuação corporativista? Todos os partidos de esquerda, de centro, de direita, menos o Psol,  cometeram o chamado crime de Caixa 2!

A “Operação Lava Jato”, praticamente perde seu objeto, objetivo e finalidade e poderá ter um fim melancólico! Será e os doutos legisladores se esqueceram do princípio  “tempus regit actun” no bem fundamentado trabalho “DA LEI PENAL NO TEMPO?” (publicado por Marc Shihasho Negima no site direitonet.com.br), com várias referências bibliográficos de renome e respeito e também diversas jurisprudências que o respaldam. Como poucos políticos de hoje eram nascidos em 1940, ou eram crianças ou adolescentes, tenho quase certeza que a resta é sim: desconheciam.

Na esfera política das eleições de outubro, o PT não as perdeu: apenas foi derrotado nas urnas por pura incompetência, incapacidade e da sua completa desassociação do que é ser oposição de esquerda no Brasil e, com isso,  afundou o país em um desastre econômico que resiste hoje. Diante disso, os eleitores, apenas migraram para o partido PMDB, que está poder, elegendo seus candidatos, como também fazem quase todos os partidos políticos com assento na Câmara Federal: querem  sempre  se manter no Poder, não importa como! Se o Ministro Gedel, tivesse pedido afastamento ou apresentado pedido de exoneração do cargo até que tudo fosse esclarecido, teria evitado o desgaste ao presidente Temer, que decidiu mantê-lo no cargo.

 O Ministro da Cultura, Marcelo Calere, ao deixou o cargo o causou um estrago dizendo que Gedel o tinha forçado a elaborar um projeto aprovando a continuidade de um prédio de 31 andares na área tombada como Patrimônio Histórico, no  para que Pelourinho, na Bahia,  embargado pelo Instituto Nacional do Patrimônio Histórico. Se isso não foi um claro caso tráfico de influência dentro do Governo, não sei mais o que venha a ser “tráfico de influência em benefício próprio!  O Governo Temer, exercendo o cargo com um misto de parlamentarista e transacionista, pode sofrer uma derrota no caso da aprovação das medidas no Congresso porque a democracia do Brasil ainda sofre um pós-trauma, pós impeachment da presidente Dilma Rousseff, segundo alguns analistas políticos!

Com relação às eleições de outubro, o resultado da votação não demonstrou um apoio incondicional do Governo, mas uma mera rejeição ao PT que governava e foi um desastre no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff que, nas palavras de seu padrinho político, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, faria um “segundo mandato melhor do que o meu”, como outros políticos populistas afirmaram também recentemente ao lançarem e referendaram políticos como candidatos às suas sucessões.  Não o fez o dever de casa e o PT sofreu uma fragorosa derrota nas urnas.

No Brasil de hoje, multipartidário, não existe mais esquerda, nem direita. É tudo esquerda e direita e volver e nada mais! Com o incondicional apoio do partido no Poder, ficaremos sem saber o que realmente ocorreu entre os Ministros Gedel e Calere!


É uma pena porque o Brasil nunca saberá que houve de verdade e de mentira nesse lamentável episódio de tráfico de influência explicita!